Política causou confusão e país “está estressado”, diz FGV

Os aspectos políticos, que emperram o andamento da reforma da Previdência no Congresso Nacional, são o principal peso sobre as incertezas que levaram à paralisia da economia no primeiro trimestre deste ano, na avaliação do pesquisador Claudio Considera, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), coordenador do Monitor do PIB.


“O comportamento político do governo causou confusão. O País está estressado. Todo dia tem confusão”, afirmou Considera.


Para o pesquisador, o quadro de “compasso de espera” da economia não é novo, está desenhado há dois anos. A particularidade do cenário do primeiro trimestre é que ele tem um gosto de frustração, pois se segue a quadro de expectativas positivas após as eleições de outubro do ano passado, lembrou Considera.


A economia brasileira, que se apresenta em "compasso de espera" há dois anos vive uma "frustração" ao final do primeiro trimestre de 2019. Segundo o pesquisador “precisa ter calma no País” para que os investimentos privados sejam retomados, não só na indústria, mas também na infraestrutura, atraindo capital internacional.

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo