top of page

Empreendedores das Favelas

Expressiva a quantidade de empreendedores em favelas


Cerca de 40% dos moradores de favelas do Rio de Janeiro têm negócio próprio e, entre aqueles que não têm, 22% estão com a intenção de começar a empreender nos próximos 12 meses. É o que aponta a pesquisa realizada pelo Instituto Data Favela, que será apresentada na edição deste ano do Expo Favela Innovation Rio, que começa neste sábado (29) e vai até segunda-feira (31).


O estudo foi realizado com 1.674 moradores de favelas do Rio, entre os dias 20 de junho e 5 de julho deste ano. Segundo o levantamento, 33% dos entrevistados possuem o próprio negócio há mais de cinco anos e 58% deles decidiram empreender por necessidade, enquanto 24% por oportunidade.


A maioria das favelas carece de serviços básicos, como saneamento, abastecimento de água potável, eletricidade, policiamento, bombeiros, além da falta de infraestrutura em geral e de regularização fundiária, entre outros problemas. Mesmo assim empreendedores encontram oportunidades para seus negócios


“A favela é a concentração geográfica das desigualdades sociais e muitas vezes o morador não encontra no emprego formal a oportunidade para desenvolver toda sua potencialidade. O morador da favela só vai conseguir ganhar mais do que dois salários mínimos se empreender dentro da favela. Assim, pode usar o seu potencial e fazer com que o dinheiro das favelas fique dentro das próprias favelas”, afirma fundador do Instituto Data Favela, Renato Meirelles.


O estudo mostra ainda que existem desafios, como informalidade e obtenção de crédito, que são os principais obstáculos para os empreendedores de comunidades. A maioria (57%) não tem um CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica) formalizando a existência dos negócios. Conseguir capital para investir foi apontado como fator dificultador por 55% dos entrevistados, seguido pela gestão financeira (25%) e falta de equipamentos (24%).


Entre os entrevistados, 66% afirmam que já enfrentaram dificuldades para liberação de crédito, sendo que aproximadamente 25% nunca sequer tentou obter o recurso. Caso estivessem disponíveis, os principais investimentos realizados seriam na divulgação do negócio, compra de máquinas e equipamentos e na diversificação do portfólio de produtos e serviços.


Nos últimos 12 meses, somente 17% dos empreendedores experimentaram aumento nas vendas, 48% sentem que não houve alteração e 35% que houve diminuição. Apesar disso, a perspectiva para o futuro se mostra positiva: 73% acreditam no crescimento de suas vendas para os próximos 12 meses, e 9 de cada 10 se declaram otimistas em relação ao futuro de seu negócio.


O fluxo de negócios em favelas é responsável por R$ 208 bilhões em movimentação financeira por ano.

 

Contabilidade em Mogi das Cruzes, Conte com a PRO Contábil

2.379 visualizações9 comentários

Posts recentes

Ver tudo

9 commentaires


Márcia Lima
Márcia Lima
05 sept. 2023

Os brasileiros tem o espírito empreendedor, seja qual for sua classe social. Empreendedores precisam de incentivo.

J'aime

Estela Vargas
Estela Vargas
05 sept. 2023

Muito boa essa matéria

J'aime

Luciana Pitangueira
Luciana Pitangueira
02 sept. 2023

Impressionante o potencial empreendedorista das favelas. Eu não imaginava tanto.

J'aime

Joana Bertangue
Joana Bertangue
30 août 2023

Essa questão das favelas mostra quanta desigualdade na distribuição de renda em nosso país. Precisamos incentivar a juventude a estudar para que tenham melhores oportunidades de trabalho e de empreendedorismo também.

J'aime

Carlinhos Veronezzi
Carlinhos Veronezzi
22 août 2023

Gostei dessa matéria, parabéns.

J'aime
bottom of page